SIXTY MOVE a sua origem

SIXTY MOVE a sua origem

Conversando com uma amiga da adolescência, dizendo a ela que ainda iria escrever para o Blog, ouvi uma sugestão que de forma pertinente, me fez refletir sobre o que seria interessante compartilhar.  Ela foi clara e precisa:  fale como surgiu a idéia desse projeto.  Aqui estou. Às 22.44hs de um sábado, com uma batida de tun tis tun tis tun vindo através das janelas e que presumo, me acompanhará durante todo o meu tempo de escrita.

Aos 36 anos de idade, ao mudar-me para Brasília, depois de ter vivido ao norte sul leste oeste desse Brasil, percebi algo diferente das demais cidades: a ocupação de quase todos os locais sociais exclusivamente por  jovens. Eu estava entre eles, era a minha faixa etária. Comodamente ocupei todos os lugares possíveis, mas a minha indagação seguia forte. Onde estão os mais velhos?  Aqueles que já se aposentaram, os que seguem trabalhando, eu os via nos escritórios, no comércio, mas não em bares, restaurantes, boates , clubes,  vida noturna – vida que segue. Em algumas noites específicas  sim eu os via, em locais já determinados e consagrados para eles.  Hoje faço parte dessa turma e quero mais! Mais espaços, mais atividades,  mais informação, mais integração e mais respeito!

Quero que a idade da TURMA continue, mesmo havendo perdido muitas amizades pelo caminho, por viagens ou outros afastamentos. Tenho  muito clara a importância do grupo nesse nosso momento da vida. São os amigos (as) que nos fazem brilhar os olhos como quando éramos adolescentes.

Com o desejo de nos reagrupar e de nos tornar mais visíveis  e mais felizes, buscando opções para essa integração, surgiu o SIXTY MOVE que pretende ocupar espaços como quando jovens ainda na universidade clamamos por direitos , ocupamos restaurantes universitários e corredores para que nos vissem.  MOVE de mover, SIXTY de sessenta, idade que acredito ser um divisor de águas na nossa existência. Dificilmente dobraremos esse numeral.

 Por isso: Mova-se. Ocupe salas e corredores, ruas, parques, bares, restaurantes, boates e mais um sem número de lugares que devemos seguir ocupando independente do dia, da hora ou do que consumimos.

Somos jovens muito vividos, o véu das ilusões já não está sobre as nossas cabeças. Os matizes da vida são reais e ainda será possível realizar o que ainda não realizamos.

Aqui estamos para convidar a todos, vamos mover-nos juntos?

Mari Lêmos

Mari Lêmos é professora, fotojornalista, produtora cultural, empresária e fundadora do Projeto  60 MOVE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *